Alimentação…10 dicas!

Image courtesy of antpkr / FreeDigitalPhotos.net

Image courtesy of antpkr / FreeDigitalPhotos.net

Alimentação é um assunto polêmico às vezes, afinal cada hora ouvimos uma coisa na mídia, uma hora ovo faz bem à saúde, outra hora pode até matar…chocolate é um veneno, depois é uma fonte maravilhosa de energia, tal coisa é boa, mas depois descobrem que um certo elemento é terrível para a saúde.

Em que devemos acreditar? Afinal, o que faz bem para o nosso corpo?

Diante disso, é muito importante observarmos o que nos faz bem. Nada melhor do que nós mesmos para nos dizer se determinado alimento é bom ou ruim para a nossa saúde. É lógico que há determinadas regras que devem ser seguidas, mas quando pensamos em o que e quanto devemos comer, sabemos que lá no fundo temos perfeita noção de tudo o que nos faz bem e mal. Porém, nem sempre seguimos nossa “voz interior”.

Tudo o que ingerimos afeta diretamente a maneira como pensamos, agimos e nos comportamos. O alimento afeta todos os aspectos do nosso ser, e é justamente por isso que devemos dar a devida atenção a essa atividade diária tão vital para o nosso bem estar e para nossa qualidade de vida.

O simples ato de escolher o que vamos comer não é assim tão simples, pois há toda uma cadeia de produção até o alimento chegar em nosso prato, isso também deve ser levado em conta em nossas escolhas alimentares.

Há algumas dicas gerais que podemos seguir quando pensamos em alimentação:

1 – Não exagere, conheça o seu limite

Comer em excesso faz mal, podemos sentir o “peso” logo depois de uma refeição exagerada, sentimos sono, peso no corpo, mal estar, preguiça, e sabemos que isso não é positivo. Preste atenção no momento da refeição, e comece a perceber seus limites, pense se realmente há necessidade de uma “segunda rodada”.

2 – Evite alimentos anunciados em televisão

Normalmente são alimentos com muitos conservantes e aditivos químicos, com diversos ingredientes, Michael Pollan no livro Regras da Comida sugere: “Evite produtos alimentícios que contenham mais de 5 ingredientes e não coma nada que sua avó não reconheceria como comida.”

3 – Coma em um ambiente belo e tranquilo

Procure fazer desse momento um dos mais agradáveis do dia, se tiver que conversar escolha assuntos agradáveis. Tente almoçar em lugares arejados e tranquilos.

4 – Olhe o alimento, cheire, perceba o que está ingerindo

Esteja presente nesse momento, muitas vezes comemos sem nem sentir o gosto do alimento. Lembre-se que esse momento é um momento de reposição de energia

5 – Mastigue devagar, quando pensar que está bom…mastigue mais um pouco!

Além de facilitar a digestão e auxiliar na ingestão da refeição, o prazer do paladar está somente na boca, então, por que engolir tão rápido? Deixe o alimento na boca o maior tempo possível.

6 – Plante uma horta!

Plante o que você gosta de comer! Você terá muito prazer em cuidar e muito mais ao se alimentar.

7 – Dê preferência a produtos locais e mais frescos, evite os industrializados

Conheça os produtores locais, visite as feiras de rua, dê preferência aos orgânicos.

Image courtesy of Supertrooper / FreeDigitalPhotos.net

Image courtesy of Supertrooper / FreeDigitalPhotos.net

8 – Faça refeições coloridas

Às vezes é difícil saber se estamos nos alimentando bem, na dúvida olhe para o seu preto e veja a diversidade de cores, se o branco e o marron estiver prevalecendo, repense e cogite a possibilidade de colorir um pouco mais! Uma refeição colorida além de ser mais bonita é muito mais saudável!

9 – Beba água!

Comece a beber água ainda em jejum. Tome pelo menos 2 litros por dia. E lembre-se beber água é um hábito! Nunca substitua água por outros líquidos, o nosso corpo depende da água para o seu perfeito condicionamento.

10 – Quebre as regras de vez em quando!

Isso também é importante, viver preocupado com regras alimentares é cansativo para todos, às vezes é bom quebrar todas as regras, isso só não pode se tornar um hábito porque se tornar perde a magia da diversão.

<a href=”http://www.bloglovin.com/blog/12231507/?claim=huhmzge36x2″>Follow my blog with Bloglovin</a>

 

 

Author: Ludmila Carvalho

Share This Post On

Submit a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *